segunda-feira, 22 de agosto de 2022

Cardeal Duka: “devemos lutar como na época do Concílio de Trento”

Cardeal Dominik Duka, arcebispo emérito de Praga
Cardeal Dominik Duka, arcebispo emérito de Praga
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Cardeal Dominik Duka, arcebispo emérito de Praga, defendeu taxativamente que “não há religião sem celibato” em entrevista ao Die Tagespost e reafirmou que não acredita que a admissão de mulheres ao sacerdócio possa resolver o problema da falta de vocações, citado por “Religión Digital”.

Observou que enquanto em seu país, a República Tcheca, médicos, advogados e psicólogos se manifestaram contra essa proposta, os teólogos não reagem como cristãos “corajosos”, mas como homens “acovardados” pela moda.

O Cardeal Duka tampouco acredita no valor dos apelos para democratizar a Igreja.

Em sua opinião, até o próprio o conceito de democracia hoje falsifica em seus fundamentos o conceito clássico original da democracia surgido na Grécia antiga.

Por isso, alertou, que a Igreja não muda com reformas políticas no papel, mas com a virtude dos santos. “Foram os homens e mulheres da época que renovaram a Igreja. também precisamos de homens e mulheres assim.”

E deixou bem claro a quem se referia dizendo: “Devemos voltar a lutar por nossa Civilização Cristã como fizemos no século XVI, na época do Concílio de Trento”.

Nessa perspectiva, o purpurado checo criticou respeitosa mas firmemente o papel que Roma está desempenhando no confronto cultural declarado contra a Igreja.

Segundo ele, o pontificado do Papa Francisco está “mais do que nunca preocupado com problemas técnicos e ecológicos”, para os quais não tem competência.

“Só podemos julgar as questões teológicas e éticas”, esclareceu sobre a missão que Jesus Cristo ordenou à Igreja e às suas autoridades, e não outras.

O Cardeal sustentou também firmemente que a “ideologia de gênero” é um grande perigo para a sociedade.

Ela faz parte de uma agressiva “revolução cultural” que procura a “destruição total de nossa identidade humana desde o início da concepção”.


segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Por amor ao Evangelho, Cardeal Müller pede ao Papa que condene os “casamentos” LGBT

O Cardeal Müller pediu ao Papa que por amor ao Evangelho condene a agenda LGBT
O Cardeal Müller pediu ao Papa que
por amor ao Evangelho condene a agenda LGBT.
Mas não foi ouvido.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O cardeal Gerhard Müller, prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, pediu ao Papa Francisco que corrija os clérigos alemães que tentam abençoar as uniões do mesmo sexo, ou as encorajam, segundo registrou a Agência Católica de Noticias ligada a EWTN.

“Pelo bem da verdade do Evangelho e da unidade da Igreja, disse,

“Roma não deve ficar em silêncio, esperando que os alemães possam ser pacificados com sutileza tática e pequenas concessões.

“Precisamos de uma declaração clara de princípios com consequências práticas para que o remanescente da Igreja Católica na Alemanha não se desintegre, com consequências devastadoras para a Igreja universal.

“O que estamos testemunhando é a negação herética da fé católica no sacramento do casamento”.

O Cardeal Müller lembrou que a Igreja de Roma tem primazia não tanto “por causa das prerrogativas da Cátedra de Pedro”, e certamente não como se seu “ocupante pudesse fazer o que bem entender”, mas principalmente “por causa do grave dever do papa, que lhe foi designado por Cristo, para guardar a unidade da igreja universal na fé revelada”.

Falando dos protestos orquestrados por padres e bispos na Alemanha em 10 de maio para abençoar casais do mesmo sexo e o ímpeto teológico por trás disso, ele disse que a diferença entre homens e mulheres expressa a vontade de Deus na criação.

O ex-prefeito da CDF chamou de “blasfêmia teologicamente falando” a “encenação de pseudobênçãos de casais homossexuais masculinos ou femininos”, citando as epístolas paulinas e joaninas, Gênesis, São Tomás de Aquino e Lumen gentium, a constituição dogmática do Vaticano II sobre a Igreja.

O denominado 'Sínodo alemão' virou uma assembleia revolucionária para aprovar a agenda LGBT
O denominado 'Sínodo alemão' virou
uma assembleia revolucionária para aprovar a agenda LGBT
A bênção nupcial “não pode ser separada de sua conexão específica com o sacramento do matrimônio e aplicada a uniões não casadas ou, pior, mal utilizada para justificar uniões pecaminosas”, escreveu o cardeal Müller.

“A declaração da Congregação para a Doutrina da Fé em 22 de fevereiro simplesmente expressou que a Igreja não tem autoridade para abençoar uniões de pessoas do mesmo sexo”, disse ele. disse.

“Esses bispos e teólogos alemães tratam o povo como tolos; eles alegam ter um conhecimento exegético secreto que lhes permite interpretar versículos da Sagrada Escritura que condenam algo contrário à natureza como de alguma forma compatível com a afirmação de uniões do mesmo sexo”, prosseguiu.

Que bispos e teólogos estão insistindo na urgência de abençoar casais do mesmo sexo “é inacreditável”, comentou ele.

“Este fato mostra o quão baixo desceu o lençol freático dogmático, moral e litúrgico.”

A tentativa de bênção de casais do mesmo sexo é uma negação do sacramento do casamento, disse ainda.

E alertou para “uma nova paganização que é apenas levemente disfarçada sob roupas litúrgicas cristãs”.


A 'via sinodal' democrática e revolucionária blasfema contra a Igreja, diz o Cardel Muller
A 'via sinodal' democrática e revolucionária blasfema contra a Igreja, diz o Cardeal Muller
Ele observou que as críticas desse maus teólogos e bispos têm analogias com o pensamento do teórico nazista Alfred Rosenberg que na década de 1930 considerou a Igreja culpada por manter “a lei, a revelação e o credo como dogmaticamente superiores às necessidades vitais do povo alemão que luta pela liberdade interna e externa”.

A tentativa de abençoar as uniões do mesmo sexo põe em questão tanto a primazia petrina quanto “a autoridade da própria revelação de Deus”, disse ele.

“O que há de novo nesta teologia que retorna ao paganismo é sua insistência impertinente em se autodenominar católica. (...) Hoje nos dizem que reduzir as emissões de CO2 é mais importante do que evitar os pecados capitais que nos separam de Deus para sempre”.

A advertência do cardeal veio pouco antes de o arcebispo Samuel Aquila, de Denver, escrever uma carta aberta aos bispos do mundo sobre as visões “insustentáveis” da Igreja Católica apresentadas pelos bispos alemães.

O arcebispo Aquila advertiu que o primeiro texto da Igreja no caminho sinodal da Alemanha minimiza a Igreja como instrumento de salvação de Deus e ignora as tensões entre a missão da Igreja e as atitudes mundanas.


quarta-feira, 3 de agosto de 2022

Basílica Vaticana: comunhão sacrílega para ativista do massacre dos inocentes

Nancy Pelosi pregadora da cultura da morte dos inocentes
Nancy Pelosi pregadora da cultura da morte dos inocentes
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A ardida militante pelo massacre dos inocentes, a deputada democrata e porta-voz de seu partido no Congresso americano Nancy Pelosi comungou durante uma missa presidida pelo Papa Francisco desde um troneto.

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA fora proibida de receber a comunhão na arquidiocese por seu apoio declarado ao direito ao aborto, por Mons. Salvatore Cordileone, arcebispo de São Francisco, diocese de origem de Pelosi, lembrou o site progressista “Crux”.

Pelosi foi admitida à liturgia da festa de São Pedro e São Paulo na Basílica de São Pedro.

Um dos sacerdotes celebrantes no lugar do Papa Francisco com problemas no joelho, lhe deu a Eucaristia como se São Paulo não tivesse ensinado “aquele que come e bebe sem discernir o Corpo come e bebe sua própria condenação” (1Cor 11,27-29).

O arcebispo de São Francisco, Mons. Cordileone comunicou sua decisão de impedi-la de receber a comunhão escrevendo:

“Depois de inúmeras tentativas de falar com ela para ajudá-la a entender o grave mal que está cometendo, o escândalo que está causando e o perigo alma que ela está arriscando, eu determinei que chegou ao ponto em que eu devo fazer uma declaração de que ela não é admitida na Sagrada Comunhão a menos e até que ela repudie publicamente seu apoio aos 'direitos' ao aborto e confesse e receba a absolvição por sua cooperação em este mal no sacramento da penitência”.

Papa Francisco e Nancy Pelosi previamente à comunhão sacrílega na missa de São Pedro e São Paulo, na Basílica Vaticana
Papa Francisco e Nancy Pelosi previamente à comunhão sacrílega
na missa de São Pedro e São Paulo, na Basílica Vaticana
A democrata da Califórnia tirou o corpo na época, dizendo que ela vem de uma família grande com muitos membros que se opõem ao aborto, mas no continuou promovendo o massacre dos inocentes e até ofendeu ao arcebispo acrescentando a bandeira da agenda LGBT:

“Respeito a opinião das pessoas sobre isso. Mas eu não respeito a gente impingindo isso aos outros. Nosso arcebispo tem sido veementemente contra os direitos LGBTQ. Na verdade, ele liderou uma iniciativa nas urnas na Califórnia.”

Pelosi também disse que as mulheres e as famílias precisam saber que isso é mais do que aborto: “Essas mesmas pessoas são contra a contracepção, o planejamento familiar, a fertilização in vitro. É uma coisa geral e eles usam o aborto como a proa para isso.”

Bispos dos EUA apoiaram publicamente a decisão de Dom Cordileone e outros estenderam a proibição de Pelosi receber a comunhão em suas dioceses.

Então, nenhum deles foi escolhido pelo Papa para cardeal no próximo consistório, considerando que o próprio arcebispo de São Francisco, tradicionalmente é elevado ao cardinalato.

Nancy Pelosi na missa São Pedro e São Paulo na basílica vaticana toma ares de inocência fingida
Nancy Pelosi na missa São Pedro e São Paulo na basílica vaticana
toma ares de inocência fingida
Muito pelo contrário, foi escolhido Dom Robert McElroy, bispo de San Diego, que é um dos prelados americanos que mais tem defendido dar comunhão a políticos católicos pró-aborto, registrou “Infocatólica”.

O Papa Francisco em 2021, em seu retorno a Roma da Eslováquia chegou a dizer que a Eucaristia é para aqueles que estão “na comunidade” e os políticos que apoiam o aborto estão “fora da comunidade”.

Mas quando a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA reunida se inclinou a promover uma pastoral contra dar a comunhão a políticos abortistas.

Essa incluiria ao presidente Biden e à própria Pelosi.

Porém, o cardeal Luis Ladaria, chefe do escritório de doutrina do Vaticano, os dissuadiu dessa única pastoral canonicamente legítima pela vida alegando, como representante do Papa Francisco, que poderia ser “uma fonte de discórdia em vez de unidade dentro do episcopado e a maior igreja nos Estados Unidos”.

Pelosi se dirige à profanação
Pelosi se dirige à profanação
Durante a homilia, o Papa Francisco teve palavras escorregadias e disse que a Igreja Católica deve ser um lugar onde “todos possam se sentir acolhidos e acompanhados”.

Na Basílica de São Pedro, Pelosi foi recebida pelo Papa Francisco antes da missa e recebeu uma bênção, de acordo com um dos participantes da missa, acrescentou “Clarín”.

O presidente Joe Biden, outro católico que apoia o direito ao aborto, contou após uma audiência com Francisco no ano passado que o pontífice lhe disse para continuar recebendo o sacramento.

Mais tarde, Biden recebeu a comunhão durante uma missa em uma igreja em Roma que está sob a autoridade do papa, que também atua como bispo de Roma.


segunda-feira, 25 de julho de 2022

Corrida a prohibir o aborto nos estados americanos

Kevin J. Stitt, governador de Oklahoma assina lei que proibe aborto
Kevin J. Stitt, governador de Oklahoma assina lei que proíbe o aborto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest



Antes mesmo de a Suprema Corte de Justiça anular a sentença Roe vs Wade de 1973 que introduziu sub-repticiamente o aborto na Constituição americana, o estado de Oklahoma se adiantou e virou oficialmente o primer estado da União a proibir o aborto por fertilização. Seu governador, o republicano Kevin Stitt, sancionou a lei, informou “Yahoo”.

Ele mesmo disse que quer fazer do seu estado “o mais pela-vida”, ou seja, o mais anti-aborto do país.

Oklahoma conta com seus cidadãos e os convidou a tomar medidas legais contra qualquer pessoa suspeita de ter ajudado ou mesmo encorajado uma mulher a fazer um aborto.

No ano passado, o vizinho estado de Texas impediu os tribunais de bloquear sua lei estadual que veta o aborto. Passou por cima da sentença Roe vs Wade estabelecida pela Suprema Corte em 1973 e que ainda vigorava nesse momento.

A forte ânsia dos parlamentos estaduais em legislar contra esse crime que inclui vinte e seis estados conservadores, mais da metade do país, fez que o Tribunal Supremo de Iowa emitisse sentença definindo que não há o direito ao aborto na Constituição do estado. Também antes mesmo do Tribunal Supremo anule Roe.

A lei do Iowa garantia que os centros de aborto dessem às mulheres oportunidade de ver a seus bebês não nascidos numa ecografia e escutar a pulsação do coração de seu bebe pelo menos 24 horas antes do aborto. Essa constatação fazia muitas mulheres desistir do hediondo crime.

A governadora de Iowa, Kim Reynolds,  assina os planos mais restritivoss do aborto no país
A governadora de Iowa, Kim Reynolds,  assina os planos mais restritivos do aborto no país

Iowa também exigia que os centros de aborto fornecessem informações sobre os recursos disponíveis para a criação e a adoção, e que confirmem por escrito que as mulheres foram notificadas.

A disputa estava acirrada entre o Tribunal Supremo de Iowa e a governadora Kim Reynolds e mais 60 legisladores estaduais pela vida.

Agora ficou encerrada a discussão, devendo a Corte Suprema de Iowa anular suas decisões e declarando que o direito ao aborto não está na constituição do estado e tampouco na lei federal superior.

Wisconsin tinha uma lei de 1849 proibindo o crime em todo o estado que voltou a entrar em vigor logo após a nova sentença da Corte Suprema. Os representantes do Partido Democrata tentaram derogar essa lei, mas foram impedidos.

O estado de Indiana baniu o aborto totalmente a partir do 15 de setembro 2022.

Em Dakota do Sul só ficava uma clínica de aborto, e em Minnesota não há nenhum médico disposto a fazê-lo, graças a Deus.

Por sua vez, a Planned Parenthood, o gigante do genocídio do aborto anunciou que não praticará mais esse assassinato a partir do 25 de junho, noticiou “Infocatólica”.


segunda-feira, 27 de junho de 2022

Suprema Corte dos EUA declara abolido o aborto. Isso rachará o país?

Militantes pela vida enfrentam partidarios do aborto diante da Suprema Corte
Militantes pela vida enfrentam partidários do aborto diante da Suprema Corte antes do anúncio
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A Suprema Corte dos Estados Unidos revogou a delcaração Roe vs Wade que há 50 anos legalizou o aborto, noticiou “The New York Times”, como aliás toda a imprensa internacional espavorida. 

Todas as leis ou normas a todo nível que se apoiavam na delcaração Roe vs Wade ficaram sem fundamento na legislação.

O vazamento jogou fogo no crescente conflito cultural e moral que devora o país e pode pô-lo ao borde de um incêndio nacional com incalculáveis repercussões mundiais.

A decisão Roe vs Wade instituiu a massacre dos inocentes no maior e mais liberal país do mundo. E foi perverso pretexto ou inspiração para leis de aborto no mundo todo.

Invalidada aquela decisão, a disputa pelo aborto ficará com os legislativos estaduais, onde a oposição é intrincada e até furiosa há anos.

Assim sendo, a maioria das leis de aborto parece felizmente destinada à ilegalização em pelo menos metade dos estados americanos.

De fato, em numerosos estados as formalidades legais aprovadas tornaram impraticável o crime de aborto sendo frequente a desaparição das clínicas da morte.

Prevaleceu a maioria conservadora de 6-3 na Corte, mas a vida política nacional e estadual virará campo para uma das questões mais controversas da vida pública americana. 

Em breve, há um risco é de aprofundar a divisão do país já polarizada em dois blocos mutuamente hostis, em que um lado despreza o valor insondável da vida e o outro o defende.

Abortistas e anti-abortistas em disputa diante da Suprema Corte
Abortistas e anti-abortistas em disputa diante da Suprema Corte

De início, rapidamente o presidente abortista Joe Biden anunciou um projeto de lei e pediu votos para a eleição de meio termo para obter deputados e senadores que o aprovem. Algo muito discutível pois os legisladores preferem conservar sua cadeira e o aborto é um tema pelo qual podem perde-lha.

Como em outros países, os legisladores não querem perder suas cadeiras e despejam as grandes decisões sobre os juízes. O resultado é uma politicagem feroz nos tribunais. Agora não poderão.

Acresce que nas eleições, quando está em jogo uma causa moral, diminuem as abstenções e aumentam os votos conservadores. O gesto do Biden teve muita repercussão na mídia mas pode ter sido tolo.

A Suprema Corte exibia um rosto ativista libertário quando esgrimiu tortos sofismas para aprovar o aborto em 1973. Porém, o rosto de hoje é do oposto conservador.

Em boa medida a Corte não pode ir contra a opinião pública que está dividida em duas partes irredutíveis. O que fazer para as esquerdas?

Para “The Economist” procurar uma saída conciliadora ou exercer a moderação será tido como intolerável por alguma das partes em luta e o Tribunal poderá perder sua capacidade de resolver disputas pacificamente.

Abolindo como fizeram, o crime do aborto os juízes enfrentarão uma pressão política esquerdista crescente. 

Todos os candidatos presidenciais democratas, em geral favoráveis ao aborto, serão interpelados para pressionar a Suprema Corte. Pressão oposta virá do lado republicano contrário e o Tribunal que deve garantir o equilíbrio constitucional terá seu futuro hipotecado a uma tempestade ideológica.

Caindo a resolução Roe vs Wade as divisões dos EUA em estados conservadores e democratas se aprofundarão porque o sistema federal dá liberdade para cada um redigir suas próprias leis.

Leis estaduais em extremo divergentes poderão opor a Califórnia ao Texas por exemplo e as minorias nesses estados se sentiriam atropeladas.

Estados vizinhos divergentes em pontos hipersensíveis dificilmente poderiam coexistir e se unir num esforço nacional quando as circunstâncias o requererem.

E a coluna material que sustenta o mundo ocidental poderia se rachar em inúmeras partes pondo em dúvida a coesão do futuro do mundo atual.

Isso é o custo de uma decisão imoral que levou a vida de milhões de crianças em gestação.


segunda-feira, 16 de maio de 2022

Disney World defende agenda LGBT e perde status na Florida

Governador DeSantis aprovou lei defensora dos direitos parentais enfrentando a oposição de Disney
Governador DeSantis aprovou lei defensora dos direitos parentais
enfrentando a oposição de Disney
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O estado de Florida cancelou o status que favorecia o parque de diversões Disney World. A causa é que esse se posicionou politicamente contra a lei estadual moralizadora e anti-agenda LGBT “Don't Say Gay”, noticiou a BFMTV.

O gigantesco parque de diversões Disney World pesa muito na economia do estado. Mas acha que com seu dinheiro pode desafiar a legislatura estadual. A bilionária multinacional milita por bandeiras progressistas extrapolando seu estatuto legal não-político.

O CEO da Disney Bob Chapek já se tinha manifestado publicamente contra uma lei que proíbe o ensino nas escolas de temas de orientação sexual e de igualdade de gênero. A lei é apelidada “Não diga gay”.

As duas casas do Parlamento da capital Tallahassee, onde há maioria republicana, votaram a favor do projeto.

Disney World, parque de diversões perto de Orlando, tem um status especial da década de 1960 que lhe concede grande autonomia e a isenta da maioria das regulamentações estaduais.

O CEO Bob Chapek relutava em se posicionar sobre a lei, mas funcionários do grupo e manifestaram contra essa “apatia” e levaram o CEO a se declarar contra a lei. Mas, agora são mais fortes as críticas moralizadoras.

Atolado nessa polêmica, o gigante viu seu título cair na bolsa até o menor nível em meses.

Bob Chapek, CEO da Disney, jogou o peso econômico pela agenda LGBT e perdeu.
Bob Chapek, CEO da Disney, jogou o peso econômico pela agenda LGBT e perdeu.
“A Disney não está dizendo uma palavra sobre ditadura na China porque custaria bilhões de dólares.

“Mas não tem problema em usar seu poder corporativo para mentir sobre leis democraticamente aprovadas por legisladores na Flórida”, declarou o senador Marco Rubio.

E o deputado Randy Fine, que visa limitar a isenção da Disney World, lembrou que a Disney é apenas um “convidado” na Flórida.

Ron DeSantis, governador da Flórida, alertou a Disney que não toleraria suas ameaças pela aprovação de uma lei que impede a doutrinação LGBT em aulas de pré-escola e até a terceira série no estado, noticiou Infocatólica.

O CEO da Disney World, Bob Chapek, afirmou que a lei “nunca deveria ter sido aprovada” e declarou que o objetivo da empresa é que ela seja “revogada pelo legislativo ou anulada na Justiça”.

Ao mesmo tempo, ele se desculpou pela empresa manter silêncio e optar por fazer campanha contra a lei “nos bastidores”.

Militantes LGBT se jogaram pela Disney World
Militantes LGBT se identificaram com a Disney World
O governador De Santis já havia sido claro com as empresas que brincam de entrar na política em favor de certas ideologias. Então ele disse:

“Se você está em uma dessas corporações, se você é o CEO de uma empresa acordada e quer se envolver em nosso negócio legislativo, veja, é um país livre.

“Mas entenda, se você fizer isso, eu vou lutar com você. E vou garantir que as pessoas entendam os limites de suas práticas de negócios e qualquer coisa que eu não goste do que você está fazendo”.

Legislativo de Louisiana aprovou lei semelhante à de Florida
Legislativo de Louisiana aprovou lei semelhante à de Florida
O governador pediu ao Congresso estadual uma lei para desmantelar o regime tributário especial que vem sendo aplicado há décadas aos mais de dez mil hectares do condado de Orlando, onde fica o parque temático e as instalações da empresa.

Com esse status especial, aprovado em 1967, a empresa economizou centenas de milhões de dólares em impostos e adquiriu uma capacidade de pressão que extrapola de sua natureza econômica.

A proposta legislativa foi adiante com 23 votos a favor e 16 contra.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

Arcebispo africano: “a atividade homossexual é intrínsecamente desordenada”

Mons Charles Gabriel Palmer-Buckle, arcebispo de Cape Coast
Mons Charles Gabriel Palmer-Buckle, arcebispo de Cape Coast
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O Arcebispo Metropolitano de Cape Coast, arquidiocese localizada no sul de Gana, Mons. Charles Gabriel Angela Palmer-Buckle, destacou a oposição da Igreja Católica do país às atividades homossexuais, classificando-as como desordenadas, relata Ghanaweb ecoada por Infovaticana

O arcebispo compareceu ante o Comitê de Assuntos Constitucionais e Legais do Parlamento para defender o apoio da Igreja Católica a um polêmico projeto de lei anti-LGBT, o Arcebispo de Cape Coast.

Na ocasião disse que a Igreja em geral apoia fortemente o projeto de lei que visa proibir a homossexualidade e suas atividades relacionadas em Gana.

O prelado defendeu que o Parlamento deve acolher positivamente as aspirações soberanas da população ganense, que, em geral, é contra as atividades homossexuais.

“A generalidade do projeto de lei que apoiamos fortemente é que a atividade homossexual é intrinsecamente desordenada”, declarou na sessão.

“E, portanto, se for inerentemente desordenado, de acordo com nossas crenças cristãs, nossas crenças islâmicas, nossas crenças religiosas tradicionais, etc...., vocês, nossos legisladores em quem nós votamos; têm a responsabilidade de elaborar o projeto de lei que responda às nossas aspirações soberanas. E acredito que essa é a base da qual nós e vocês não devemos fugir”, afirmou.

Sobre a necessidade de o Parlamento cumprir adequadamente seu dever e ajustar o projeto de lei à vontade popular, Mons. Palmer-Buckle disse que “um projeto de lei foi submetido ao Parlamento e acho que seu papel é examinar o projeto. E rejeitar os excessos ou falhas que possa haver nele”, acrescentou.

Mons Charles Gabriel Palmer-Buckle, arcebispo de Cape Coast
Mons Charles Gabriel Palmer-Buckle, arcebispo de Cape Coast
O comitê do Parlamento está recebendo contribuições e memorandos de grupos e indivíduos tanto a favor quanto contra o projeto de lei.

Sexo entre homossexuais já é punível com até três anos de prisão em Gana, embora ninguém seja processado há anos, diz a Agência Reuters.

O novo projeto iria além, alongando as penas de prisão e forçando alguns a se submeterem à terapia de conversão, práticas destinadas a corrigir as tendências homossexuais em uma pessoa.

Também criminalizaria a promoção e o financiamento de atividades LGBT, bem como a manifestação pública de “afeto” entre pessoas do mesmo sexo e o travestismo.


terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Indígenas bolivianas chibateiam abortistas que atacaram catedral

Mulher guarayo mostra o latego que ela usou nas aboristas sacrílegas
Mulher guarayo mostra o látego artesanal que ela usou nas abortistas sacrílegas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Agitadoras abortistas bolivianas do “coletivo Mujeres Creando” invadiram a catedral de Santa Cruz enquanto o arcebispo celebrava a missa.

Elas protestavam contra a Igreja Católica que impediu uma menina de 11 anos de interromper a gravidez. A mãe foi vítima de um estupro e sua família foi pressionada para aprovar o crime.

Porém, após a intervenção da igreja, mudaram de ideia, noticiou o jornal da cidade “El Deber”.

Os ativistas picharam sacrilegamente a fachada da Basílica Menor de San Lorenzo e criticaram a Igreja Católica em faixas e arengas. “Igreja hipócrita e mesquinha, você força uma menina a dar à luz”, insultava uma das faixas.

O arcebispo Dom Sergio Gualberti estava pregando que “a defesa da vida, a rejeição da pena de morte e a eutanásia são um mandato de Deus para a Igreja e para cada crente em Cristo”.

A pintura jogada na catedral foi removida e as funções religiosas continuaram normalmente nos dias seguintes.

A demagogia abortista costuma apresentar do “direito” à matança dos inocentes como uma necessidade das mulheres pobres e das minorias étnicas menos favorecidas.

Inicio da provocação sacrílega abortista contra a catedral
Inicio da provocação sacrílega abortista contra a catedral


Esse embuste ideológico foi desmentido por mulheres de Santa Cruz que armadas com chicotes de couro feito à mão usado nas áreas rurais da Bolívia para repreender crianças.

Um grupo de indígenas bolivianas do povo Guarayo, deu umas boas às feministas que perturbaram a missa. Não houve queixas de ferimentos nem de contusões, sendo o efeito sobretudo moral.

Elas vendiam artesanatos entre os quais um 'látego' usado levemente para corrigir crianças mal comportadas

O exemplo mostra que o feminismo é um movimento violento que não defende as mulheres pobres como diz, comentou PanamPost.

A realidade é o oposto: as mulheres latino-americanas defendem amorosamente seus filhos e sua família. As mulheres indígenas na necessidade de trabalhar, amarram os filhos nas costas e dão continuidade ao trabalho.

Eles são o exemplo fiel de que os filhos não são um obstáculo, mas sua maior força.

O feminismo, criado em centros intelectuais esquerdista em geral ricos, levanta a bandeira do aborto, para acabar com vidas inocentes antes do nascimento para poder se entregar imoralmente aos prazeres ilícitos.

As feministas de Santa Cruz demonstraram não advogar pelas mulheres, mas por uma causa política: o socialismo.

Na ocasião, elas se manifestaram publicamente a favor da libertação do ex-presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, líder do Fórum de São Paulo.

Momento do incidente em que abortista recebe um 'latigazo' usado levemente para as crianças mal comportadas.
Momento do incidente em que abortista recebe um 'latigazo'
usado levemente para as crianças mal comportadas.
O socialismo que retomou o poder na Bolívia, atacou particularmente o povo Guarayo, cujas mulheres enfrentaram as feministas que atentam contra o patrimônio religioso.

Na província de Guarayos de Santa Cruz existem grupos armados apoiados pelas esquerdas que tentam se instalar em terras comunitárias que têm legítimos proprietários indígenas.

Diante da resistência dos indígenas Guarayos, os grupos irregulares já fizeram vários feridos a balas e facões.

Diante da tentativa de profanação da catedral de Santa Cruz, as mulheres que enfrentaram as feministas também se manifestaram contra o governo pela irrupção de seus aliados esquerdistas em seu território ancestral.

Evo Morales, protetor das abortistas e de todas as formas de esquerda e narcotráfico diz ser vítima de racismo por ser indígena.

Mas nunca demonstrou falar qualquer língua indígena e permitiu a destruição de terras ancestrais de povos indígenas por grupos armados que visam rouba-los.

Guadalupe Cárdenas, uma indígena perseguida politicamente, embaixadora dos Direitos Humanos, representante da federação das esposas de polícias, destacou em entrevista ao PanamPost, a hipocrisia de Evo Morales.

Cárdenas garantiu que Morales “é o pior racista, como nunca na história”. Ele mandou queimar terras dos índios do leste, da Chiquitanía, e ameaçou os indígenas.

As mulheres Guarayo de Santa Cruz desmontaram esses mitos ao mesmo tempo defendendo a Igreja dos ataques das feministas pagas pelo líder lulobolivariano.


segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Parlamentar católico pela-vida apunhalado por ativista muçulmano

Sir David Amess
Sir David Amess
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O legislador britânico Sir David Amess, 69, militante pela-vida morreu após ser esfaqueado várias vezes durante uma reunião pública em Leigh-on-Sea, na Inglaterra, de acordo com “Infocatólica”.

O deputado conservador por Southend West em Essex era conhecido como defensor dos nascituros, mas morreu enquanto era tratado por serviços de emergência, de acordo com a polícia de Essex.

A BBC descreveu Amess como um católico devoto e “um proeminente ativista anti-aborto”. Outros o elogiaram por ser um “grande defensor de melhores serviços de maternidade” e protetor das crianças com deficiências.

A polícia prendeu um homem de 25 anos, recuperou a faca assassina e de início não quis revelar seu nome.

Por fim resultou ser um somali de nome Ali Harbi Ali, filho de um ex-dirigente da muçulmana Somália. Está indiciado por preparação de atos terroristas e se disse ligado ao Estado Islâmico.

A Sociedade de Proteção ao Nascimento (SPUC), Right to Life UK, March for Life UK expressaram seu horror com o crime e destacaram a personalidade amigável e jovial e devoção genuína Sir David Amess em cuidar dos mais vulneráveis na sociedade.

Amess estava casado e deixou uma família com cinco filhos. Há uma afinidade profunda entre os militantes da “cultura da morte”, os inimigos da família bem constituída e os terroristas islâmicos.


terça-feira, 5 de outubro de 2021

“Estamos sendo castigados” adverte bispo de Texas

Mons Joseph Strickland, bispo de Tyler. Fundo: queda dos anjos rebeldes, Pieter Bruegel
Mons Joseph Strickland, bispo de Tyler.
Fundo: queda dos anjos rebeldes, Pieter Bruegel
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O bispo diocesano de Tyler, Texas, EUA, Mons. Joseph Strickland enviou um alerta pela rádio local para as nações e as pessoas de autoridade em todo o mundo que estão promovendo o aborto e a homossexualidade oprimindo os cidadãos comuns, noticiou LifeSiteNews.

Em alusão à pandemia, o bispo advertiu que o mundo está sofrendo por causa dos próprios pecados e por desconhecer a Deus enquanto Criador e verdadeiro autor da vida.

“Estamos no meio de um castigo porque estamos destruindo a vida de crianças, estamos massacrando bebes que ainda não nasceram, e numa proporção nunca antes vista na história”, exclamou o prelado ao apresentador Terry Barber.

O bispo esclareceu que, apesar desse castigo, Deus nosso criador “continua nos amando” e está clamando a cada indivíduo para se voltar para Ele.

Strickland apontou que, infelizmente, muitos políticos e autoridades não estão percebendo esses problemas e continuam a manipular a humanidade.

O bispo Strickland afirmou que a salvação do mundo nunca poderá vir “do controle do Estado ou do controle dos mandatários”.

Ele encorajou os cristãos a nunca terem medo na hora de defender as verdades da fé, ainda que isso signifique o martírio.

Mesmo que “eles possam nos matar ou restringir seriamente nossas liberdades como povo de Deus, eles não podem nos tirar a própria essência de aquilo que somos: seres livres que em seus corações podem escolher entre dizer sim a Deus ou dizer não”.


terça-feira, 21 de setembro de 2021

Terremoto abala o México quando despenaliza o aborto

Luzes de origen magnético iluminaram assustadoramente o céu do México no dia da aprovação do aborto
Luzes de origem magnética iluminaram assustadoramente o céu do México
no dia da aprovação do aborto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A Suprema Corte de Justiça do México descriminalizou o aborto, decisão considerada histórica por juízes ideologizados e feministas. A decisão não torna legal a interrupção da gravidez, mas abre as portas para esse crime, informou “El Universal” do México.

Por sua vez, o ator Eduardo Verástegui expressou no Twitter sua insatisfação pagando o preço de ataques, mensagens críticas e memes pelas redes sociais, por parte de ativistas da morte.

Aconteceu que na noite do dia que foi aprovada a medida contra a vida, no país se registrou um terremoto e tempestades em vários estados e Verástegui atribuiu as calamidades à descriminalização do aborto.

·Hoje o México chora. Hoje o México treme. Chove incontrolavelmente em várias partes do país, e a terra range.

Católicos mexicanos rezam para que não seja aprovado o aborto
Católicos mexicanos rezam diante da Suprema Corte
para que não seja aprovado o aborto
“Hoje, milhares de bebês mexicanos foram condenados à morte. Hoje, o México chora; hoje, o México treme, por suas filhas e filhos que não nascerão”, postou numa mensagem.

Em outra mensagem, Verástegui considera que os bebês no México são condenados à morte por causa do Ministro da Justiça e que este governo deixa um legado sangrento.

“Milhares de bebês mexicanos foram condenados à morte. Porque ao descriminalizar o aborto em todo o México, a mensagem dos irresponsáveis ministros da Justiça é: ‘Vá em frente, você pode matar seus bebês agora!’ A este governo, o povo cobrará caro por este legado sangrento”.

Embora alguns internautas concordassem com sua opinião, muitos outros criticaram que o ator descreveu os fenômenos naturais como uma punição para a descriminalização do aborto; os memes sobre isso foram imediatos.

A suprema corte aprovou por unanimidade a anulação de vários artigos de uma lei no estado de Coahuila, no norte do país, onde o aborto é considerado crime e tanto as mulheres quanto as pessoas que poderiam ajudá-las são criminalizadas.

A decisão do tribunal afetará imediatamente aquele estado.

Mas estabelece um importante “critério obrigatório para todos os juízes do país” que devem atuar no mesmo sentido se tiverem que decidir sobre um caso de aborto, disse o presidente do o Tribunal, Arturo Zaldívar.

“A partir de agora não será possível, sem violar os critérios do Tribunal e da Constituição, processar qualquer mulher que faça um aborto nos casos que este tribunal considerou válidos”, acrescentou Zaldívar.

A descriminalização afetará a interrupção da gravidez em até 12 semanas, período em que o aborto é permitido nos quatro estados em que essa prática é legal: Cidade do México, Oaxaca, Veracruz e Hidalgo.

Nos restantes 28 estados, ainda é penalizado, exceto em caso de estupro, e algumas regiões também permitem quando a saúde da mãe está em perigo.


Terremoto abala o México no dia que o aborto foi liberado. Padre rezava Ave-Maria no exato momento



Terremoto e luzes no dia da legalização do aborto!!




terça-feira, 7 de setembro de 2021

Texas abole quase totalmente o aborto

'O futuro é contra o aborto': estudantes texanos apoiam o banimento do aborto
'O futuro é contra o aborto': estudantes texanos apoiam o banimento do aborto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O estado de Texas, o segundo maior dos EUA em superfície e população, e o terceiro mais rico da união americana, pôs em vigor uma lei que proíbe o aborto assim que os batimentos cardíacos do feto são sentidos.

Ou, em outras palavras, num momento em que muitas mães ainda não sabem que estão grávidas, informou BFMTV.

A lei estadual texana proíbe desta maneira todos os abortos após a sexta semana de gravidez.

Também encoraja a população a denunciar os infratores.

Texas, entretanto, fica aguardando uma decisão da Suprema Corte dos EUA sobre um recurso formulado em emergência contra dita lei.

No máximo tribunal judiciário os conservadores são a maioria (seis em nove).

Se não decidir contra esta lei – aliás, não é necessário decidir antes de entrar em vigor – o Texas se tornará um dos estados americanos mais severos contra o aborto, no limite de uma proibição total que de momento não é possível por causa de jurisprudência do Supremo americano.

Obviamente as organizações abortistas tentaram tudo o que podiam contra a decisão estadual pedindo com urgência ao Supremo o bloqueio da entrada em vigor da lei ou tentando forçar os tribunais federais a fazê-lo.

A lei foi assinada pelo governador do Texas, Greg Abbott, como parte de uma ofensiva liderada por estados americanos conservadores contra o crime do aborto.

A lei torna ilegais a grande maioria dos abortos – até em casos de incesto e estupro.

O grande e populoso Texas é vilipendiado pelas organizações de planejamento familiar, porque mais de 85% das mulheres que matam seus filhos ainda não nascidos o fazem após seis semanas de gravidez. E isso agora ficou impossível.

Antes do Texas, doze estados aprovaram leis para proibir o aborto assim que o batimento cardíaco fetal fosse perceptível.

Essas leis foram invalidadas pelo Supremo Tribunal Federal que autorizava o aborto até entre 22 e 24 semanas de gravidez.

'Cada coração importa' dizem estudantes em Austin, Texas
'Cada coração importa' dizem estudantes em Austin, Texas
Mas o Texas formulou sua lei de forma diferente: não cabe às autoridades fazer cumprir a medida, mas “exclusivamente” aos cidadãos, incentivados a apresentar queixas civis contra organizações ou pessoas que ajudam mulheres a fazer abortos.

Os cidadãos que iniciarem um processo desses receberão pelo menos US $ 10.000 em “indenização” em caso de condenação.

Na Internet já há formulários para registrar “informações anônimas” nesse sentido.

O dispositivo torna mais difícil a intervenção dos tribunais federais.

A entrada na Suprema Corte de Justiça de três juízes conservadores galvanizou os oponentes do aborto que aspiram reverter a polêmica decisão de 1973, Roe v. Wade, que achou constitucional o aborto.

Mas defensores da vida temiam que, como infelizmente tem acontecido, juízes ditos conservadores no momento decisivo votassem pela posição mais imoral.

Entretanto, a Suprema Corte, último recurso inapelável, deu luz verde à lei do Texas numa apertada votação 5-4. A votação libera temporariamente a aplicação da lei, adiando para o futuro um julgamento definitivo. Cfr. “The Guardian”.

Pela lei já em vigor qualquer cidadão que more no Texas ou em outro lugar pode processar um provedor de aborto que viole a lei.

A perspectiva de uma chuva de processos judiciais por parte dos militantes antiaborto pode fechar a maioria das clínicas abortistas no estado.

Os principais políticos democratas, desde o presidente Joe Biden até a ex-Secretária de Estado Hillary Clinton, deblateraram contra a Suprema Corte por ter deixado passar a lei do Texas.

Biden deplorou uma lei que segundo ele “viola flagrantemente o direito constitucional”, “direito” esse muito contestado nos EUA.


terça-feira, 22 de junho de 2021

Vaticano freia condena de políticos americanos abortistas

Arcebispo de São Francisco o presidente Biden e a chefe dos deputados Nancy Pelosi não podem comungar porque abortistas
Arcebispo de São Francisco: o presidente Biden e a chefe dos deputados Nancy Pelosi
não podem comungar porque abortistas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Luis F. Ladaria, solicitou ao presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB), arcebispo José H. Gómez, adiar o documento que preparavam os bispos declarando “não idôneos a receber a comunhão” os políticos católicos abortistas, entre os quais sobressai o novo presidente Joe Biden, informou “Clarín”.

Políticos que se apresentam como católicos, como é o caso do presidente dos EUA, aprovaram com seu voto leis pelo aborto, a eutanásia e outras questões conflitantes com a moral católica.

Cardeal Ladaria da parte de Francisco freia vetar comunhão a políticos abortistas
Cardeal Ladaria da parte de Francisco: freia vetar comunhão a políticos abortistas
A carta vaticana datada 7 de maio e é uma resposta à outra enviada em 30 de março pelo presidente dos bispos informando que enviaria a minuta do documento “para uma revisão informal, antes de apresentá-la na assembleia para votação”.

O Cardeal Ladaria lembra que a proposta já fora feita em 2020 durante visitas “ad limina”, tendo o Vaticano “aconselhado realizar um diálogo entre os bispos para preservar a unidade da Conferência Episcopal em face das divergências sobre este assunto polêmico” e evitar “uma fonte de discórdia dentro do episcopado e da Igreja em geral nos EUA”.

De fato, bispos ultra-modernizados e relativistas estariam dispostos a aprovar ou fechar os olhos à profanação dos Sacramentos por políticos imorais e maus católicos.

Papa pede reconciliação aos bispos e salva Biden de condenação pelo aborto
Papa pede reconciliação aos bispos e salva Biden de reprovação pelo aborto
O Cardeal adverte que “uma política nacional sobre o valor da Comunhão” “precisaria expressar um verdadeiro consenso dos bispos sobre o assunto”.

Esqueceu que em primeiro lugar o “verdadeiro consenso” dos bispos deve ser com o ensinamento de Jesus Cristo e das Sagradas Escrituras.

A resposta foi entendida como uma recomendação do Papa Francisco em favor dos políticos de esquerda que pretendem continuar se dizendo “católicos” violando o ensinamento milenar da Igreja e escandalizando os fiéis.