terça-feira, 18 de novembro de 2008

A família volta a ser vista como “sagrada”, diz filósofo francês


O filósofo francês Luc Ferry, ex-ministro da Educação, está causando sensação. No seu novo livro, Famílias, Amo Vocês, constata que o amor pela família supera até a própria procura da religião. Em entrevista a “Veja” (22/10/08) defendeu “a família é a única entidade realmente sagrada na sociedade moderna, aquela pela qual todos nós, ocidentais, aceitaríamos morrer, se preciso. Os únicos seres pelos quais arriscaríamos a vida no mundo de hoje”.

Décadas a fio fez-se tudo para destruir a família: das novelas ao divórcio express. Freud berrado pelos “revolucionários culturais” de Maio de 68, do hippismo e da droga escarneciam da família. E quando parece chegar ao fim, cumpre-se o que dissera outro pensador francês bem anterior: “expulsai a natureza, e ela voltará ao galope”. Hoje poderia dizer: “expulsaram a família, e ela está volvendo ao galope”.

Ferry sustenta nos seus best-sellers que “sagrado algo pelo qual vale a pena morrer”. Nos tempos marcados pela Fé, os homens morriam por Deus, por exemplo, nas cruzadas. Quando a Fé entibiou se fizeram matar por revoluções. Por exemplo, a revolução protestante e as guerras de religião. Também a Revolução Francesa e as guerras napoleônicas e/ou democráticas. Mais do que tudo, a Revolução socialista-comunista da Rússia que fez mais de cem milhões de vítimas.

Hoje não é mais assim, os homens têm saudade mesmo da família e dos filhos e estão dispostos cada vez mais a dar vida por eles.

Ferry explica a decadência da família pela idéia equivoca de “casamento por amor”. Antes, diz ele, casava-se para dar continuidade à família, manter a linhagem ‒ i. é, a tradição ‒ e a propriedade. “Com o capitalismo as mulheres se tornaram operárias nas fábricas. Com isso, houve uma grande ruptura. A percepção a respeito dos filhos e das crianças em geral também sofreu grande modificação”.

“A partir do momento em que a união entre duas pessoas se ampara apenas na lógica do sentimento, basta que o amor se apague para que outro amor se imponha.” Resultado: a família fica carcomida por infelicidades, aparece a infidelidade e a frustração, e o desastre: o divórcio, a insatisfação, o descontentamento generalizado.

E, nesta hora histórica, como na parábola do filho pródigo, que os homens se voltam cada vez mais para esse refúgio de paz, ordem e estabilidade: a família bem constituída, portanto estável e feliz.

Por favor, enviem gratuitamente as atualizações de 'Valores inegociáveis: respeito à vida, à família e à religião' a meu Email

Um comentário:

  1. Parabéns!
    Gostei do blog... vieri mais vezes!
    Abraços
    João Batista

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.