segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

domingo, 21 de dezembro de 2014

"Noite Feliz" nasceu numa noite de Natal numa capela esquecida


Em 24 de dezembro de 1818, a canção “Stille Nacht” (“Noite Feliz”) foi ouvida pela primeira vez na aldeia de Oberndorf (Áustria).

Foi na Missa de Galo na minúscula capelinha de São Nicolau.

Estavam presentes o pároco Pe José Mohr, o músico e compositor Franz Xaver Gruber com seu violão, e o pequeno coro da esquecida aldeia.

No fim de cada estrofe, o coro repetia os dois últimos versos.

Naquela véspera de Natal nasceu a música que passou a ser como um hino oficial do Natal no mundo todo.

Hoje se canta nas capelas dos Andes e no Tibete, ou nas grandes catedrais da Europa.

Há muitas histórias sobre a origem dessa canção. Entretanto, a verdadeira é simples e risonha como a canção ela própria.

CLIQUE PARA OUVIR



terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Aspectos pouco lembrados do Natal


Presépio. Catedral de Motherwell, Escócia
Presépio. Catedral de Motherwell, Escócia
A festa de Natal é a comemoração do nascimento de nosso Salvador em Belém. É a alegria pela vinda do Menino Jesus à Terra. É a Redenção que se inicia. É o gáudio de Maria Santíssima.

A cada ano, por ocasião dessa magna data, graças especiais descem sobre os homens. São graças de suavidade, de bem-estar espiritual, de uma felicidade intensa e calma.

Quanto mais uma sociedade está penetrada pela influência da Civilização Cristã, mais essas graças se fazem sentir; quanto mais ela estiver paganizada, mais as almas tendem a rejeitá-las, e então elas parecem refugiar-se nos poucos que permanecem fiéis ao sentido autêntico do Natal.

O Natal afugenta os demônios

Mas há um aspecto do Natal que tem sido pouco lembrado ao longo dos últimos tempos: é o fato de que as graças natalinas afugentam o demônio e seus malefícios.

A Civilização Cristã sempre o entendeu assim, e numerosas lendas, cheias de beleza e ingenuidade, retratam tal realidade.

Isto não significa que tais lendas devam ser tomadas ao pé da letra em todos os seus pormenores, mas não se pode negar que, freqüentemente, elas são portadoras de verdades profundas.

Ao acrescentar poesia e imaginação a certos acontecimentos natalinos, o povo miúdo de Deus consegue exprimir uma realidade espiritual mais alta, que de outro modo lhe seria difícil manifestar.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

O que sofrem as mulheres
sequestradas em nome do Corão



Cerca de uma centena de meninas e moças nigerianas que foram sequestradas pelos fanáticos islâmicos do Boko Haram mas conseguiram fugir, descreveram os tormentos de que foram objeto, segundo noticiou o jornal “Clarín” de Buenos Aires. 

Aplicando os conselhos do Corão para o trato com os cristãos, os islamitas escravizaram-nas e as submeteram a trabalhos degradantes, estupros, torturas, abuso psicológico e “matrimônio forçado”, além de obrigá-las a se “converterem” pela força ao Islã.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Atingido pela “cultura da morte”, Portugal perde população

Luis Dufaur



No ano de 2013, os nascimentos em Portugal foram a metade de há 40 anos. Além do mais, 128 mil portugueses emigraram no mesmo ano, numero equivalente à população de Braga, a quinta maior cidade do país, informou o jornal “Correio da Manhã”.

O número exato de nascimentos em 2013 foi de 82.787, o que representa uma redução de 7,9% em face a 2012 (89.841). Por isso o jornal escreve que hoje nascem praticamente a metade dos bebês registados em 1973.

Há 41 anos nasceram 172 mil crianças, 12.332 das quais de pais não casados. Como reflexo do crescimento da imoralidade, em 40 anos o número de nascimentos fora do casamento mais do que triplicou: 39.434 em 2013, ou seja, 48% do total dos nascidos!

Como os óbitos atingiram 106.543, o déficit populacional provocado pela queda dos nascimentos atingiu – 23.756.

Portugal perdeu 60 mil habitantes em 2013. Além da redução da natalidade, o outro fator de quebra foi o aumento da emigração.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística português, no último ano emigraram de modo permanente 53 mil cidadãos, e 74 mil por um período inferior a um ano.