segunda-feira, 30 de julho de 2007

México: excomunhão por participação em aborto

No Distrito Federal da Cidade de México, o PRD –– partido do esquerdista ex-candidato à presidência López Obrador –– aprovou a despenalização do aborto. O arcebispo da cidade, Cardeal Norberto Rivera, formulou a “mais firme condenação” a essa lei “injusta” e “iníqua”. O prelado qualificou o aborto de "ato abominável” e “execrável assassinato”. Ademais, o arcebispado esclareceu que os legisladores que votaram a descriminalização cometeram pecado grave e não podem comungar; assim como os médicos e enfermeiras que participam de um aborto realmente efetivado estão excomungados automaticamente.

A humanidade está se autodemolindo


No ano 2050, as pessoas com mais de 60 anos serão mais numerosas que as crianças, concluiu informe da ONU. Atualmente a população mundial tem 28% de crianças menores de 15 anos, e as pessoas com mais de 60 anos somam 10%. Porém, em 2050 estas representarão 32% do total mundial, ou seja, o triplo de hoje. A ofensiva contra a natalidade e a vida, responsável em grande medida por essa diminuição alarmante do número de crianças, contraria o mandado divino ao primeiro casal, expresso na Sagrada Escritura: "Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a" (Gn 1,28).

Imoralidade na mídia compromete saúde das jovens


A apresentação continuada de modelos femininos de modo sensual pela TV, músicas, novelas, Internet, propaganda e imprensa em geral, danifica a saúde mental de meninas e moças, afirma relatório da American Psychological Association (APA). Essa ofensiva da imoralidade causa grave dano ao conceito que as jovens formam de si próprias e gera movimentos prejudiciais de vergonha, ansiedade, depressão, desordens no apetite, problemas cognitivos e emocionais, entre outros. O relatório da APA alerta também para os programas corruptores de “educação sexual”. Eileen L. Zurbriggen, da Universidade da Califórnia, insiste na tese de que os pais devem assumir sem inibições seu papel protetor.

Criança nascida na 21ª semana, saudável, recebe alta


Amillia Taylor nasceu em Miami na 21ª semana de gestação. Pesava 284 gramas e media 24,1 centímetros. Quatro meses depois, recebeu alta e foi levada para casa por seus felizes pais. É o bebê mais prematuro que já nasceu, tendo recebido alta pelos médicos com saúde “muito boa”. O fato põe em evidência — se ainda mais fosse necessário — que o aborto constitui insofismável assassinato. Entretanto, são aprovadas leis cada vez mais abortistas, que contradizem a Lei de Deus e a própria Lei natural.

Primeira dama de Uganda: só a castidade é garantia contra a AIDS

Janet Museveni, primeira dama de Uganda

No Dia Mundial da Luta contra a AIDS, a primeira dama de Uganda, Janet Museveni, fez para os jovens do país um enérgico elogio da castidade como o meio mais eficaz para evitar o contágio. “Não ponham em perigo suas vidas usando instrumentos como os preservativos, indo contra o plano de Deus. [...] Honrem seus corpos como templo de Deus”, disse Museveni. Uganda, pregando a castidade, é dos países mais bem sucedidos no combate à AIDS. Porém, naquele dia o mundo todo teve que assistir, em locais públicos ou na mídia, a manifestações aviltantes em favor dos métodos imorais; que, aliás, não são eficazes contra a AIDS e atraem a ira de Deus.

Tribunais naufragam em processos familiares

Leah W. Sears

Leah W. Sears, presidente da Suprema Corte do Estado da Geórgia (EUA), lançou um apelo para o casamento. Hoje, naquele país, menos da metade dos lares é composta por casais casados, e quase 36% dos nascimentos são extra-conjugais. As crianças educadas fora do casamento, disse Sears, sofrem mais de doenças físicas e mentais; abandonam mais a escola; abusam mais das drogas, do álcool e da violência, e correm mais risco de ficarem pobres. Os tribunais naufragam em processos decorrentes da infidelidade matrimonial, que geram um nível espantoso de intromissão do governo nas famílias. O problema só tem uma verdadeira solução: restauração da família, o que só é possível com o auxílio da graça divina e a prática dos Mandamentos.

Crime revela duplo jogo da mídia, diz instituto

Mary Stachowicz

Mary Stachowicz, 51, piedosa mãe de quatro crianças, foi raptada, estuprada, torturada e sufocada com um plástico por Nicholas Gutierrez, homossexual “assumido”, em Chicago (EUA). Nas audiências do processo, os advogados do réu alegam “pânico defensivo anti-homofóbico” e caricaturam os cristãos como odientos enlouquecidos contra o homossexualismo. A mídia costuma apresentar de modo simpático somente as vítimas "politicamente corretas". Mary Stachowicz não entra nessa categoria, mas sim o seu assassino homossexual. A mídia abafa o crime, disse Cliff Kincaid, diretor de Accuracy in Media, de Chicago, instituto dedicado ao estudo das distorções da imprensa.

População brasileira parou de crescer, diz IBGE

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1970 a taxa de natalidade brasileira vem caindo mais rapidamente que o esperado, e hoje atingiu o limite da reposição populacional: a população brasileira parou de crescer. A prosseguir essa tendência, nos próximos anos começará a minguar, como aliás já é fato na Rússia, onde a revolução comunista, sensual e igualitária levou ao abandono da Lei de Deus na prática, o que tem conseqüências até hoje. Está em curso no Brasil um processo análogo. Em Fátima a Santíssima Virgem previu que, como castigo pelos pecados dos homens, muitas nações desapareceriam. Um dos modos de desaparecer é a diminuição progressiva da população. Que Ela interceda pelo Brasil, a fim de que nossa nação não seja uma dessas!

Manipulação de células-tronco embrionárias é imoral e anti-ética

A empresa Advanced Cell Technology anunciou ter desenvolvido um método “ético” para coletar células-tronco de embriões humanos sem destruí-los. Porém, Mons. Elio Sgreccia, da Pontifícia Academia pela Vida, mostrou que esse método é incompatível com a moral da Igreja. O prelado sublinhou que a simples experimentação com embriões é imoral, e que os cientistas devem desenvolver os métodos que usam as células-tronco de adultos, aprovados pela Igreja.

Conferência mundial sobre a AIDS volta-se contra a família

Bill Gates e o ex-presidente Clinton

Os responsáveis intelectuais pelos sucessos de Uganda (África) no combate à AIDS condenaram a conferência internacional sobre essa epidemia reunida em Toronto, Canadá. Denunciaram o ódio de fundo anticristão manifestado na ocasião contra a continência sexual, a maternidade e a família.

Durante o evento, pediu-se a legalização da prostituição e a liberalização do consumo de drogas pesadas, além da rotineira apologia imoral dos preservativos e da educação sexual em voga, que habitualmente aniquila a inocência das crianças na mais tenra idade. Até o miliardário Bill Gates — um dos promotores do encontro — foi violentamente vaiado ao mencionar o programa ABC, que inclui a continência e a fidelidade conjugal.

Ex-homossexuais arrependidos: é possível abandonar a sodomia

Nos EUA, ex-homossexuais lideram um protesto contra a American Psychological Association (APA), que sustenta sob especiosos sofismas que não se pode abandonar esse vício antinatural. O grupo Focus on the Family qualificou de “hipócrita” a posição político-ideológica da APA, pois a instituição se apresenta como científica. “O fato é que dezenas de milhares de homens e mulheres como eu superaram a homossexualidade. Nós somos a prova viva” –– disse Alan Chambers, presidente de Exodus International, grupo de pessoas que abandonaram essa forma de atos contra a natureza.

Vetado financiamento público de experiências criminosas


O presidente dos EUA, George W. Bush, vetou projeto de lei que financiaria com dinheiro público experiências com células-tronco embrionárias, porque matariam embriões humanos, o que constitui grave violação da Lei natural e da moral católica. O veto deveu-se à salutar pressão dos movimentos conservadores pró-vida e pró-família, a maioria deles de inspiração religiosa. Muitas esquerdas pseudo-moderadas e humanitárias reagiram com furor e tiraram a máscara. Em sentido contrário ao veto do presidente americano, o Conselho de Ministros da União Européia aprovou o financiamento dessas experiências moralmente criminosas. O tema é dos mais importantes nas polêmicas de grande atualidade: religião-ateísmo, conservadorismo-Revolução cultural, direita- esquerda.

Reações ao "casamento" homossexual nos EUA

Corte de Apelações de Nova York
A
Corte de Apelações de Nova York ratificou a constitucionalidade da lei estadual que define o casamento como sendo somente entre homem e mulher. No estado de Geórgia, a Suprema Corte de Justiça manteve a decisão do plebiscito que proibiu o "casamento" homossexual. O Supremo Tribunal do Estado de Washington confirmou a Lei de Defesa do Casamento. 45 estados proibiram esse pseudo-casamento, mediante reformas constitucionais ou leis estaduais. Só Massachusetts o reconhece. Vermont e Connecticut o disfarçam sob o véu de “contrato civil”. Em sete outros estados, os homossexuais tentam revogar por via judiciária leis anti-sodomíticas democraticamente aprovadas.

Colégio de advogados portenho: aborto é homicídio


Essa prestigiosa entidade de Buenos Aires afirmou em declaração pública que o aborto “é uma forma de homicídio, [...] com a agravante de que tal atentado se realiza quando a vítima não tem capacidade de se defender”. O governo Kirchner tenta introduzir esse crime na legislação argentina, violando a Constituição, a tradição jurídica do país e acordos internacionais. Os tratados são farrapos de papel, sentenciava o Kaiser Guilherme II da Alemanha. Desconhecer o Direito positivo é mais uma constante do abortismo. A resistência a esse abominável crime, entretanto, continua crescendo no país.

Castidade e abstinência freiam a AIDS em Zâmbia


Zâmbia alcança sucessos na luta para deter a AIDS, graças à promoção da castidade e da abstinência sexual nas aulas de catecismo, narrou o Pe. Alick Mbanda. E denuncia que “o governo fez muito pouco e tarde demais”. De fato, ONGs financiadas pela ONU e fundações ocidentais promovem a distribuição de preservativos e denigrem a atuação da Igreja. Assim agindo, o governo promove a morte de incontáveis zambianos. O país conta com 1,2 milhão de aidéticos numa população de 11 milhões, e 34% das crianças são órfãs por causa da pandemia.

Manifestações contra aborto na Colômbia e na Argentina

Protesto em Bogotá, Colômbia
Bem mais de 100.000 católicos manifestaram-se contra o aborto, na praça Bolívar, centro da capital colombiana. Na ocasião, foi levada solenemente a imagem do Menino Jesus de Praga, o Divino Niño, que há mais de 30 anos não saía em público. A mídia, muito incomodada pelo porte da manifestação, silenciou-a no noticiário. Na Argentina, grupos de jovens pró-vida entregaram aos deputados 250 mil assinaturas contra a legalização do aborto. A respeito do fato, a mídia efetuou

Canadá: religiosos revoltam-se contra moral da Igreja

A Conferência dos Religiosos do Canadá, que representa 230 ordens religiosas, repudiou a instrução do Vaticano que cerceia a admissão de homossexuais no sacerdócio. Também contestou a moral católica sobre o aborto, anticoncepcionais, ordenação de mulheres, divórcio e eutanásia. Na mesma linha, 19 sacerdotes publicaram manifesto no diário "La Presse", de Montreal. Os Cardeais Jean-Claude Turcotte, de Montreal, e Marc Ouellet, de Quebec, encaminharam os protestos ao Vaticano, sem fazer-lhes a mínima crítica. Luc Gagnon, presidente de Campagne Québec-Vie, deplorou que com seu silêncio os prelados católicos dêem "a impressão de que aprovam sérios erros doutrinários".

Lei anti-abortista de -Dakota influencia outros Estados


O governador de Dakota do Sul sancionou importante lei que proíbe todo tipo de aborto nesse Estado. Quinze outros Estados estão elaborando leis análogas. O "New York Times" prevê uma "nova era de batalhas", pois a lei aprovada colide com a malfadada decisão da Corte Suprema, em 1973, no processo Roe vs. Wade, favorável ao aborto. Para o ultra-esquerdista diário "Libération", de Paris, a lei é um verdadeiro míssil na atual guerra cultural americana. Para ele, os partidos políticos não têm unidade para enfrentar o desafio, e as feministas estão desesperadas. O presidente Bush, que vinha capitalizando o voto conservador, agora está sendo superado pela onda pró-vida, concluiu o jornal parisiense.

É preciso um “clamor inextinguível” contra o aborto

Dom Francisco Gil Hellín
"A Igreja não pode deixar de clamar contra [o aborto], como os profetas de Israel, [...] ainda que seja chamada de retrógrada e antiprogressista", escreveu o Arcebispo de Burgos (Espanha), D. Francisco Gil Hellín. O prelado esclareceu que não deve ser um miado de gato, mas "um clamor inextinguível que se levanta [...] do mundo todo até o Céu, pedindo justiça e misericórdia". Comparando a matança de crianças não-nascidas com o bruaá da mídia pelos maus-tratos de presos no Iraque, concluiu: "Esses fatos são um 'conto de Branca-de-Neve' comparados com o que acontece com os abortados: a maioria é despedaçada, outros são envenenados, outros ainda picados com uma faca de aço".

Abortistas dos EUA reconhecem o próprio fracasso


"Acho que 'Roe vs. Wade' [acórdão da Suprema Corte de Justiça que instalou o aborto nos EUA] será desmantelado em breve prazo", disse à agência Reuters Nancy Keenan, presidente de NARAL Pro-Choice America, conhecida ONG favorável ao aborto. "Temos um presidente anti-aborto, um Congresso anti-aborto, e agora, com a confirmação do juiz Alito para o Supremo, temos em vista uma Suprema Corte anti-aborto". Keenan silenciou o mais importante: sobretudo a maioria do povo norteamericano é contra o aborto, e na democracia moderna o povo é soberano. Mas isto não interessa aos promotores da revolução sexual. Com a posse do juiz Samuel Alito, muitos defensores da vida esperam que venha a cessar o monstruoso massacre legalizado de inocentes. Corresponderá ele às expectativas? Deus queira.

União Européia: fúria contra o catolicismo

O ministro de Justiça de Malta, Carmelo Mifsud Bonnici, anunciou que o país não se curvará à União Européia (UE), que exige a aprovação do divórcio e do aborto na ilha de Malta. A UE também ameaça processar a Espanha se prosseguir neste país a coleta de impostos para a Igreja Católica. Como se fosse pouco, Franco Frattini, comissário da UE, declarou no Parlamento Europeu que os países que não aprovarem o “casamento” homossexual e outros privilégios para os homossexuais serão punidos. O presidente do grupo interparlamentar para assuntos de homossexuais e lésbicas, o socialista Michael Cashman, propôs a expulsão das nações “homófobas”. Cashman é vice-presidente do grupo Gay & Lesbian Humanists, que prega guerra contra “a homofobia inspirada no catolicismo".

Kit para o "suicídio assistido" à venda na Bélgica

Os farmacêuticos belgas já podem vender um monstruoso cocktail para a eutanásia, informou LifeSiteNews. Desde a aprovação do assassinato premeditado de doentes em 2002, já foram extintas 200 vidas. Agora, em virtude de nova regulamentação, o farisaico "suicídio assistido" tornou-se sinistramente acessível para todos. O kit da morte custa mais ou menos 180 reais e pode ser usado em casa. Esse coktail para a eutanásia constitui mais um amargo fruto do neopaganismo de nossos dias.

Clonagem com células-tronco humanas: fraude


O único e pioneiro “sucesso” de clonagem humana a partir de células- tronco embrionárias, isto é, extraídas de fetos, revelou-se imensa fraude. A Universidade de Seul, onde ensinava o biólogo sul-coreano Hwang Woo-suk, concluiu que todos os seus resultados foram forjados, pediu sua destituição e seu indiciamento por desvio de fundos públicos. A famosa revista Science, que se deixara iludir, publicando artigo do falsário Hwang, retratou-se logo. No Brasil, meses atrás, foi aprovada a realização de experiências com células-tronco embrionárias. Servirá a fraude do biólogo sul-coreano como sinal de alerta para nossas autoridades, que aprovaram a eliminação homicida de embriões humanos, sob alegação de incentivo às pesquisas científicas?

Mulheres prejudicadas pelos falsos “direitos da mulher”

Segundo o jornal médico britânico “The Lancet”, 10 milhões de fetos femininos foram abortados nos últimos 20 anos na Índia, em conseqüência dos incentivos oficiais ao controle da natalidade. Para se encaixar nos planos oficiais, os pais sacrificam as meninas, porque ao casar iriam ingressar em outra família; e só preservam meninos que possam trabalhar. O censo indiano verificou que hoje há apenas 927 mulheres para cada 1.000 homens. Mais uma vez, constata-se que a mulher é a grande vítima da contracepção, apresentada como um dos supostos “direitos da mulher”, proclamados de boca cheia pelos promotores do feminismo.

Site de bispos norte-americanos elogia filme homossexual

Inúmeros católicos americanos reagiram indignados quando o site da Conferência dos Bispos dos EUA teceu rebuscado elogio ao filme Brokeback Mountain (O segredo de Brokeback Mountain), que faz chocante propaganda das relações homossexuais.l Muitos grupos pró-vida e pró-família criticaram fortemente o péssimo comentário do site episcopal. Devido à reação provocada por tal elogio, o site mudou a classificação do filme de "audiência limitada" para "moralmente ofensivo". Numa atitude incompreensível, manteve entretanto os tortuosos elogios ao filme imoral.

Fruto da crise familiar: prostituição infantil

Quando tinha 13 anos, Justin Berry, residente em Bakersfield, na Califórnia, começou brincando com uma webcam conectada à Internet. Acabou sendo seduzido por adultos e se transformou num astro da prostituição infantil. Os pais não prestaram atenção nessa situação por causa de contínuas brigas que travavam entre si. Justin entrou numa ampla comunidade virtual de adolescentes conhecidos por camwhores (prostitutos de câmeras). Ganhou muito dinheiro, mas alguns anos depois tentou o suicídio. Por fim, preferiu denunciar clientes e métodos da Internet à polícia; deseja agora entrar numa faculdade. Infelizmente, poucas crianças que descambam para essa deplorável via acabam tentando se corrigir como Justin.

“Direitos humanos” seletivos excluem os não-homossexuais

Nas Ilhas Fiji, no Pacífico, um grupo protestante que representa 25% da população do país pediu licença para protestar contra a anticonstitucionalidade de decisões judiciais que favorecem a homossexualidade. Mas tal licença lhe foi negada pela Comissão Nacional dos Direitos Humanos. Além do mais, o grupo foi coberto de injúrias pelos núcleos homossexuais das ilhas. Segundo a agência LifeSiteNews, os católicos canadenses sofrem análogo tratamento. Tais fatos atestam que a agressividade dos homossexuais contra os que a eles se opõem dissemina-se perigosamente pelo mundo

Tirania pro-aborto na Europa choca deputados católicos


O Parlamento Europeu proibiu uma exposição anti-aborto com fotos do campo de concentração de Auschwitz, organizada por eurodeputados poloneses. Estes se sentem feridos pelo viés anticatólico desse Parlamento, escreveu "The New York Times". "Se querem conhecer nossas opiniões, leiam as opiniões da Igreja Católica", revidou o eurodeputado polonês Maciej Giertych. Para ele, a intolerância esquerdista da União Européia lembra a ditadura soviética. É lamentável que no Brasil quase nunca parlamentares falem com essa clareza.

Lenine despenalizou o crime do aborto


O ditador comunista Vladmir Lenine foi o primeiro governante a descriminalizar o aborto. Sua lei teve que ser suspensa para evitar o despovoamento da URSS, mas foi restaurada em 1955 e vigora até hoje. Na Rússia, 60% das concepções terminam com esse abominável crime. Na Romênia, hoje o aborto mata três vezes mais crianças do que as que nascem. Revolução comunista e aborto estão irmanadas por um monstruoso pacto, de fundo ideológico.

Jovens lideram oposição ao aborto na Inglaterra


Na Inglaterra, onde se pode abortar até a 24ª semana de gestação, 80% da população afirmam que 200.000 abortos anuais "é demais". 89% acreditam que a legislação sobre o aborto deve ser continuamente revista e levar em consideração os progressos da medicina, que permitam ajuda e atenção cada vez mais precoces em relação aos nascituros. 62% acham que a lei deve ser restringida "significativamente". 75% dos jovens de 18 a 24 anos apóiam essa posição, formando o grupo social mais oposto ao massacre de inocentes. "A enquête mostra quão desatualizada e fora da pista ficou a lei de aborto", disse a responsável da sondagem, Citra Abbot. A Communicate Research pesquisou 1005 britânicos no 38º aniversário dessa cruel legislação abortista.

Ciência recomenda refeições em família


As refeições em família reforçam os vínculos, melhoram a qualidade das comidas, protegem dos excessos de alimentação ou de fitness [exercícios físicos], reforçam a saúde psíquica, favorecem o contato com a realidade, são formativas quanto às boas maneiras, sendo ótimas para educar crianças e adolescentes. Tais conclusões não são de um saudosista, mas resultado de amplas e sérias pesquisas científicas recentes, sobretudo com adolescentes, resumidas no livro da jornalista Miriam Weinstein, O surpreendente poder das refeições em família: comer juntos nos torna mais inteligentes, mais fortes, mais saudáveis e mais felizes. Tudo isso é verdadeiro quando o convívio durante a refeição não é sabotado pela TV ligada, esclarece Weinstein.

Universitárias bem sucedidas preferem ser donas-de-casa

Cada vez mais moças bem sucedidas nas melhores universidades americanas dizem preferir ser boas e felizes donas-de-casa, criando os seus filhos, do que ingressar em alguma alta profissão. Assim responderam 60% das estudantes da Universidade de Yale, uma das mais caras e reputadas do mundo. Elas alegam os fracassos morais e sentimentais das mães-dirigentes de empresa. Informa o “New York Times” que as feministas estão indignadas porque, para elas, esta tendência não tem direito de existir. Mas as universitárias não ligam para esses protestos, que lhes parecem desinteressantes.

Reação pela família melhora sociedade americana

Nos EUA, desde o início dos anos 90 a violência familiar caiu mais da metade; a violência juvenil, 71%; mortes causadas por motoristas embriagados, 38%; consumo de bebidas fortemente alcoólicas, 30%. Menos crianças vivem na pobreza, há menos suicídios de adolescentes e as notas na escola elementar subiram. O que aconteceu? Com certa lamentação, o diário esquerdizante “The New York Times” responde: 1) As pessoas "deixaram de acreditar em idéias estúpidas", como “a família tradicional está ultrapassada”, ou “todo adolescente deve ser rebelde”; 2) Muitos pais reforçaram sua dedicação à família; 3) Muitos menores de 30 anos reagem contra o divórcio.

Holanda realiza "casamento" polígamo

A Holanda registrou “legalmente”, na cidade de Amsterdã, o primeiro “casamento” civil polígamo, informou o “Brussels Journal”. Após a legalização das uniões homossexuais, já se aguardava a equiparação do matrimônio com qualquer tipo de união. Um abismo clama por outro abismo, diz a Sagrada Escritura.

Aborto: maior causa de mortalidade na Espanha

O aborto é a maior causa de mortes na Espanha, muito superior às provocadas por acidentes de trânsito, homicídio, suicídio, AIDS, drogas ou doenças. Mata-se uma criança a cada 6,6 minutos. Cada dia, 220 bebês não chegam a nascer. A denúncia é do Instituto de Política Familiar, de Madri. Desde que nova lei foi aprovada na Espanha em 1985, "as mortes por aborto aumentaram de modo vertiginoso", inclusive entre adolescentes, registrou o relatório. Um de cada seis casos de gravidez termina nessa tragédia abominável, mas tal morticínio não impressiona o fanatismo dos que defendem o aborto.

Educação mista e igualitária é prejudicial às crianças


Meninos e meninas têm pronunciadas diferenças físicas e psicológicas, e por isso não devem ser educados no mesmo esquema, explicou o psicólogo e médico norte-americano Leonard Sax, em seu recente livro Why Gender Matters. Segundo Sax, cada vez mais moços e moças pedem tratamento psiquiátrico, porque as escolas não respeitam as formas diferentes de apreender dos dois sexos. Eles e elas têm características físicas e psicológicas próprias, emoções, sentimentos e gostos que não são iguais, os quais a escola precisa levar em conta para não lhes fazer mal. A educação mista e neutra preparou, segundo Sax, o ambiente para aberrações como o "casamento" homossexual.

Passeata homossexual feita por ódio à Igreja

Após impressionante passeata contra o “casamento” homossexual, ocorreu em Madri a “marcha do orgulho homossexual”, muito inferior em número, mas prestigiada por um ministro e vários líderes socialistas. “Que a Igreja cale a boca”, foi um dos slogans insultantes bradados pelos manifestantes. Homossexuais fantasiados de Nazareno, de Nossa Senhora, de Papa, de cardeais e de freiras parodiaram procissões e cerimônias religiosas, despejaram uma torrente de blasfêmias e ameaças carregadas de ódio contra a família, instigaram as pessoas a apostatarem da Religião Católica. O fundo anticristão da ofensiva homossexual aflorou nessa ocasião em toda a sua verdadeira dimensão.

Populares letões dispersam passeata homossexual

Na primeira marcha denominada de “orgulho homossexual” em Riga, capital da Letônia, os manifestantes homossexuais — por volta de 100 — precisaram fugir de ônibus, face à indignação popular, embora tivessem autorização oficial e grande cobertura policial. A manifestação acabou sob uma chuva de ovos e outros objetos. Os letões estão etnicamente muito divididos, mas o repúdio dessa marcha fez com que os grupos opostos esquecessem suas rivalidades. Muitos políticos mudaram de posição, percebendo o mal-estar da população, e reprovaram aquela manifestação em favor da sodomia, informou o semanário “Baltic Times”. O Cardeal da Letônia, Janis Pujats, qualificou a passeata de “exibicionismo de pecado”, e acrescentou: “Na era soviética enfrentamos o ateísmo que oprimia a religião; agora estamos numa era de ateísmo sexual”.

domingo, 29 de julho de 2007

Suíça: voto protestante aprova “casamento” homossexual


O voto protestante foi decisivo para que a Suíça aprovasse em referendo o “casamento” homossexual, ou Pacto Civil de Solidariedade (PAC), que equivale a um casamento civil, segundo a agência “Zenit”. A Federação das igrejas reformadas empenhou-se na aprovação desse contrato antinatural. Os católicos votaram pelo “não”. Dos sete cantões que recusaram a proposta, seis foram os que têm maioria católica, como o de Lugano, de língua italiana.

Precursor da fecundação in vitro se arrepende

Laboratório de fecundação in vitro
O Prof. Orazio Piccinni, um dos precursores da fecundação in vitro, agora prega o fim dessa prática, segundo a agência “Corrispondenza Romana”. Afirmou que ela exige “o sacrifício premeditado de muitas vidas humanas. De fato, cerca de 90% dos embriões produzidos em laboratório são imolados, para se obter uma criança a qualquer preço”. A mídia e certo establishment, que antes incensavam o médico, passaram agora, após a sua sensata mudança, a marginalizá-lo e até hostilizá-lo.

Líder homossexual fala da decadência do movimento

Larry Kramer, criador do lobby homossexual Act Up, lamentou a decadência da corrente homossexual nos EUA, patenteada por ocasião da reeleição de Bush e dos plebiscitos que banem o "casamento" homossexual. "Quase 60 milhões de pessoas [...] votaram contra nós. Quase 60 milhões [...] julgam que somos uns imorais", disse Kramer. Segundo ele, os homossexuais têm culpa pela Aids: "Desde o primeiro momento foi-nos dito que essa doença seria causada por um vírus. Não quisemos aceitar nossa responsabilidade e optamos por não escutar. [...] Essa atitude acabou sendo mortal". O longo e amargo queixume acaba de ser publicado em livro.

“Bebê planejado” para ser sacrificado

A Inglaterra aprovou a geração artificial de "bebê planejado", a fim de lhe serem extraídos tecidos para transplante. É a primeira licença judiciária para criar um ser humano destinado a ser imolado sob pretextos terapêuticos. Organizações pró-vida criticaram duramente essa decisão cruel e imoral, que já toca no diabólico. A lei brasileira, que libera experiências com fetos, e o projeto espanhol de seleção de embriões foram mencionados como sinistros antecedentes da decisão inglesa, pelo diário “La Nación”, de Buenos Aires.

Plebiscito proíbe “casamento” homossexual

Congresso do Estado de Kansas
O eleitorado do estado de Kansas aprovou, por maioria esmagadora, emenda constitucional que define o matrimônio como a união entre um homem e uma mulher, tornando ilegal o chamado “casamento” homossexual. A emenda recebeu 70% dos votos num plebiscito. Kansas é o 18º estado americano a tomar essa atitude. Em nenhum caso venceu a outra opção. No estado de Oregon, a Corte Suprema estadual anulou cerca de 3.000 “casamentos” homossexuais. Esse tribunal baseou-se na emenda aprovada no ano passado, protegendo o matrimônio. Os partidários do aberrante “casamento” homossexual estão recorrendo ao Judiciário, tentando obter uma incerta legalização, como recentemente ocorreu no estado de Connecticut.

97% dos brasileiros recusam ampliação do aborto


Caiu enormemente o número de brasileiros que aprovam a ampliação da lei de aborto. Segundo pesquisa do IBOPE em março deste ano, a aprovação ficou em 3%. Ela foi de 43% em 1994, desabou para 21% em 1996 e para 10% em 2003. “Só posso pensar que se trata de um ataque coletivo de hipocrisia”, disse o sociólogo Antônio Flávio Pierucci, da USP, mais crédulo nos chavões comuno-progressistas do que na realidade. Com efeito, o abortismo não brota de um anseio popular, mas de minorias propulsoras da imoralidade.

Espanha: esquerdas e homossexuais tentam realizar profanação

Nas escadarias da catedral de Barcelona, militantes socialistas e o grupo homossexual Sin Vergüenza promoveram ato contra a Igreja Católica, que condena os “matrimônios” homossexuais. Entoaram slogans blasfemos, como “Igreja Católica: imbecilidade ilustrada”, “Vamos queimar Deus”, “Cristo homossexual”. Jovens católicos ofereceram resistência dentro da legalidade, temendo uma invasão da catedral. Para eles, a ocupação seria o início do confisco das igrejas, reclamado pelas esquerdas. Os católicos foram objeto de insultos e obscenidades por parte dos manifestantes.

Promotor de “casamento” homossexual pode ser excomungado

D. Frederick B. Henry
O bispo de Calgary, Canadá, D. Frederick B. Henry, declarou à TV que é impossível o chefe do governo nacional ser “bom católico, se ao mesmo tempo apóia o aborto e os ‘matrimônios’ de pessoas do mesmo sexo”. Nesse caso, o bispo só pode dizer: “Não receba a comunhão, porque [...] rompeu o seu vínculo com a Igreja”. D. Henry esclareceu que, se dependesse dele, pensaria seriamente em excomungá-lo, pois quem promove o “casamento” homossexual “comete uma grave ofensa a Deus. [...] Não se pode estar nos dois extremos ao mesmo tempo”.

Planned Parenthood mantinha site pedófilo para crianças!

A Planned Parenthood (Planejamento Familiar) — maior grupo pró-aborto do mundo — colocou em seu site matéria para educação sexual de crianças de seis anos: A idade importa? Quando as meninas encontram homens mais velhos. A página direcionava as crianças a um site que faz apologia da pedofilia, da pornografia infantil e oferece objetos para perversões sexuais. Militantes pró-vida tiraram cópias e alertaram os pais de família. A Planned Parenthood alterou logo as comprometedoras páginas, mas continua impunemente difundindo seus aberrantes programas.

Homossexualismo e macumba aliados

Em Recife, 46 pais e mães-de-santo realizaram uma sessão especial invocando os orixás — nome atribuído aos poderes preternaturais da macumba — para que “quebrem a resistência do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, à concessão de direitos civis a casais homossexuais”. Convém ressaltar o conluio entre superstição, divindades pagãs, magia e homossexualismo.


Jovem católica reduz ao silêncio clínica abortista


A clínica abortista de Boulder, Colorado (EUA), há anos entrega restos dos bebês assassinados à igreja do Sagrado Coração de Maria, para serem sepultados. Militantes pró-vida enterraram com solenidade esses restos mortais, num túmulo especial. O diretor da clínica, Warren Hern, qualificou o ato de “macabro ritual de morte”. Michelle Bauman, de 15 anos, da escola católica Bishop Machebeuf High School, retrucou em carta que, se ele falava de “morte”, no fundo reconhecia que morriam seres vivos; e que, se a clínica mandava enterrar os restos, é porque compreendia tratar-se de pessoas. A missiva foi publicada no “Denver Catholic Register”, e a clínica, envergonhada, ficou sem argumentos para replicar.


Uso de preservativo: nenhuma autoridade poderá permitir

Ambíguas declarações do secretário-geral da Conferência Episcopal Espanhola pareceram a muitos uma autorização da Igreja quanto ao uso de preservativos, sob pretexto de combater a AIDS. Face ao escândalo causado por tais declarações, o bispo de Mondoñedo-Ferrol (Galícia), D. José Gea, publicou esclarecedora carta pastoral. Nela, o Prelado lembra que a Igreja não pode “mudar os seus ensinamentos definitivos, diferentemente dos cidadãos, que podem alterar a Constituição do país”. Sublinhou que, ainda que o secretário da Conferência Episcopal tivesse pronunciado esse despropósito, “seria preciso não lhe obedecer, nem sequer a mim se o tivesse dito, nem mesmo se tivesse sido afirmado pela própria Conferência Episcopal. [...] Nem sequer o próprio Papa pode mudar aquilo que foi definido pelo Magistério anterior”, acrescentou, reafirmando a doutrina tradicional da Igreja.

Mulheres repudiam a prática do aborto


Recente estudo do Centro para a Igualdade de Gênero (CGE) — grupo abortista radical — mostrou que o aborto legal não é prioridade para as mulheres nos EUA. Entre as infelizes que praticaram esse abominável ato e hoje arcam com pesadas conseqüências físicas e psicológicas, além da dor moral, o movimento Pró-vida deitou fortes raízes. Elas esperam que a Corte Suprema de Justiça norte-americana revogue a decisão que legalizou o massacre de inocentes e causou enorme dano a tantas mães.

Processado ministro que falsificou cifras de abortos

O ministro da Saúde argentino, Ginés González García, falsificou o número provável de abortos anuais no país, para obter a despenalização desse crime abominável. Ele falou em 500.000 abortos anuais, quando as estatísticas oficiais do seu Ministério permitem supor, no máximo, 50.000 casos. A associação Portal de Belém — que mantém albergues para “mães solteiras” ou abandonadas — denunciou o ministro pelo “não cumprimento de deveres de funcionário público” e “intimidação da população, da Corte Suprema e do Congresso”. A Justiça Federal argentina acolheu a denúncia. Em todos os países as táticas abortistas são as mesmas. E as fraudes, também...


Exagero midiático favorece “casamento” homossexual

Na Espanha, o governo socialista quer instituir o abominável “casamento”

José Luiz Zapatero
homossexual, e ainda com a faculdade de serem adotadas crianças. Para isso, até falsifica estatísticas, segundo o jornal espanhol “La Razón”. Assim, a agência oficial de notícias EFE espalha que o país tem 4 milhões de homossexuais. Mas o Instituto Nacional de Estatística só contabilizou 10.400 “casais” desse tipo, ou seja, 0,09% dos lares. O exagero exacerbado é método da campanha pró-homossexualidade. No Canadá, a Enquête Canadense sobre Saúde Comunitária de 2003 verificou que somente 1% da população se diz homossexual. Nos EUA, a National Health and Social Life Survey constatou que 0,9% dos homens e 0,4% das mulheres tiveram alguma vez um parceiro do mesmo sexo.

Castidade pré-matrimonial, êxito contra o AIDS


Durante uma conferência de cúpula de 17 países africanos sobre o AIDS, o presidente de Uganda, Yoweri Museveni, negou-se a distribuir preservativos nas escolas. Segundo ele, isso só causará mais contágios. “É inaceitável ensinar aos alunos como serem promíscuos e usarem preservativos. [...] Deveríamos achar outras formas de ocupar as mentes de nossas crianças”, disse.

Uganda é o país que alcançou maior êxito na luta contra a AIDS, porque promove a abstinência sexual pré-matrimonial. Os resultados superam tudo o que pretendem ter feito outros países ensinando práticas antinaturais, condenadas pela moral católica. Nestes a disseminação da pandemia vem se agravando.

Novas gerações: cansadas de propaganda sexual

A empresa britânica HeadLightVision advertiu os seus clientes que os jovens das cidades estão “entediados” com publicidade de apelo sexual. Revelada pelo influente “Financial Times”, de Londres, a pesquisa concluiu que os jovens estão “em busca da sua inocência”, através de “valores familiares e de noivado”. Os clássicos jogos de tabuleiro e as estampas dos contos tradicionais estão em alta.

Eis mais um sintoma do fastio que a Revolução Cultural vem causando na juventude atual, da qual uma importante parcela propende cada vez mais para o conservadorismo.

Na Austrália: volta à sadia ordem familiar

Na Austrália, até líderes feministas radicais “estão começando a lamentar as obscuras conseqüências da liberdade sexual”, declarou o ministro da Saúde Tony Abbot. De fato, generaliza-se no público a idéia de que a prática do aborto foi danosa ao país. A matança dos inocentes atinge no país a cifra de 100 mil vítimas por ano.

Segundo o jornal “The Australian”, o ministro disse que “o legado de uma sociedade permissiva — famílias quebradas, doenças mentais — sugere que os antigos ‘tabus sociais’ tinham certa razão”. A Austrália acaba de aprovar lei que só aceita o matrimônio entre homem e mulher. Essa legislação exclui qualquer outro tipo de “união” e desconhece os “casamentos” antinaturais realizados no exterior.

Americanos rejeitam o chamado “casamento” homossexual

Com escandaloso estardalhaço, a mídia mundial informou a realização de milhares de “casamentos” homossexuais, oficiados pela prefeitura de São Francisco, na Califórnia. Mas, de fato, tudo não passou de uma violação legal. A Suprema Corte californiana estabeleceu que o prefeito afrontou as leis estaduais, e que ele não tinha poderes para registrar tais “uniões”. Em conseqüência elas são nulas, não produzindo efeito legal.

Ainda nos EUA, 71% da população de Missouri aprovou em plebiscito que se incluísse na constituição estadual o princípio de que matrimônio é só entre homem e mulher. Outros plebiscitos derrotaram o “casamento” homossexual nos estados de Nebraska (67%), Havaí (69%), Alaska (70%) e Nevada (71%).

Garantia legal para os nascituros nos EUA


Nos EUA, o ser humano que está para nascer passa a ter todos os direitos legais, qualquer que seja o seu nível de desenvolvimento. Em virtude de lei federal, assinada pelo presidente George W. Bush, quem causar a morte ou lesões a uma criança no seio materno será indiciado por um delito especial. A nova lei não abole o aborto, mas introduz um princípio jurídico que, se for levado ao seu pleno desenvolvimento natural, porá fim ao massacre de inocentes.

O Partido Democrata se opôs à nova norma, porque ela põe em risco a lei do aborto, pelo fato de dar personalidade jurídica ao feto. Assim, o candidato presidencial John Kerry votou contra. O vice-presidente da Academia Pontifícia pela vida, D. Elio Sgreccia, afirmou pela Rádio Vaticana que a nova lei “é um fato jurídico e eticamente muito relevante”, porque a criança que vai nascer passa a ser reconhecida como ser humano.

Vírus da AIDS, flagelo de países da ex-União Soviética


A população russa, que vinha diminuindo de um milhão de pessoas por ano, acelerará o seu minguamento por causa da difusão da AIDS. A conclusão é do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Análoga ameaça paira sobre os países do Leste Europeu, que estão à beira de uma "epidemia generalizada". A Rússia é seguida de perto pela Letônia, Ucrânia e Estônia. Em conseqüência, o próprio progresso econômico está ameaçado por falta de braços.

Segundo a ONUSida, organismo para combate à terrível epidemia, nos países da ex-URSS já há 1,8 milhão de soropositivos. Somente superam tal cifra as regiões africanas e do Caribe mais atingidas por essa moléstia, ligada ao vício da impureza. Segundo o Banco Mundial, numa visão otimista, no ano 2020 haverá na Rússia 5,4 milhões de soropositivos. E, numa visão pessimista, os infectados serão 14,5 milhões.

Salutares condenações de bispos americanos a legisladores abortistas

Dom Raymond Burke, Arcebispo de St. Louis
O bispo de La Crosse, Wisconsin (EUA), D.Raymond Burke, determinou que os legisladores católicos que apóiem o aborto ou a eutanásia não receberão a Santa Comunhão em sua diocese. O decreto episcopal esclarece que o legislador católico, ao apoiar o aborto ou a eutanásia, "comete um pecado manifestamente grave, que é causa de sério escândalo para os demais"; e refere-se ao Código de Direito Canônico (can.915), o qual ordena que tal gênero de legisladores "não sejam admitidos à Santa Comunhão", e que só poderão voltar a receber os Sacramentos após "publicamente renunciarem a apoiar essas práticas injustas".

O Prelado escreveu a três legisladores católicos, dizendo que a fé deles corre risco se continuarem votando medidas "anti-vida", "incluindo o aborto e a eutanásia". D.Burke acaba de ser promovido a Arcebispo de St.Louis, no Estado de Missouri.

D. Alfred C. Hughes, Arcebispo de Nova Orleans
O novo arcebispo de Nova Orleans, Louisiana, D.Alfred C. Hughes, a exemplo de D. Burke, aplicou louvável e análoga sanção disciplinar. E acrescentou: os fiéis que votarem em parlamentares que aprovem o aborto, a eutanásia ou a destruição de embriões humanos participam de

UE: imposição de lei antinatural

O Tribunal de Justiça da União Européia determinou que as leis nacionais que impedem o "matrimônio" de transexuais são contrárias ao direito comunitário da UE (União Européia). A decisão impugna acórdão da Corte de Apelação britânica, que negou a pretensão de uma enfermeira a que seu consorte - que fizera uma cirurgia para mudança de sexo - fosse beneficiado com sua pensão.

A legislação britânica considera nulas as uniões entre pessoas de mesmo sexo e proíbe modificar a ata de nascimento para "mudar de sexo". Porém, para o Tribunal supremo da UE, isto "constitui a violação do direito de casar".

Vai se patenteando, cada vez mais, o espírito antinatural e anticristão que inspira a União Européia.

Na Itália, o drama da contracepção

O governo italiano pagará mil euros (R$ 3,6 mil) às famílias para cada novo filho que tiverem a partir do segundo. O objetivo da medida é incentivar a natalidade. A iniciativa, que entrou em vigor na virada do ano, foi incluída no orçamento de 2004. Segundo o Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais, tenta reequilibrar o problema demográfico no país.

Os pais que desejarem a subvenção deverão solicitá-la através da Previdência Social. O governo aplicou várias medidas para frear o envelhecimento progressivo da população. A Itália vem apresentando uma das mais baixas taxas de natalidade do mundo: 1,14 filho por mulher, conseqüência inelutável do antinatural controle da natalidade.

Jovens são mais anti-abortistas do que os adultos


Pesquisa realizada pelo instituto Gallup revelou que a maioria dos adolescentes nos Estados Unidos considera o aborto inaceitável. 72% destes afirmam que ele é moralmente incorreto. E 32% de todos os consultados desejam que o aborto seja considerado ilegal, em qualquer circunstância.

Em sentido contrário, outra sondagem mostrou que só 17% dos adultos apóiam a proibição do aborto. E que 55% o aprovam em certas circunstâncias, e 26% concordam com sua legalização.

Verifica-se nessas porcentagens uma inversão surpreendente, em comparação às dos anos 70. Naquela época, a juventude encaminhava-se para o hippismo, a droga e a anarquia sexual. Hoje os hippies envelheceram, embora continuem imorais, e os jovens tendem para o conservadorismo e a prática da moral...